Marketing Digital 22/09/2016

12 dicas para melhorar as suas finanças pessoais enquanto Freelancer

Luciano Larrossa Publicado por Luciano Larrossa

Conseguir manter o equilíbrio financeiro tanto a nível pessoal ou profissional é essencial para que consiga manter o seu negócio num bom caminho. Saber gerir a sua atividade neste ramo é fundamental, pois quem não o souber fazer a nível pessoal muito dificilmente isso acontecerá a nível profissional. E é mesmo sobre isso que o nosso artigo fala hoje. Não apenas em conseguir manter o seu equilíbrio financeiro, mas também como geri-lo, identificar os seus problemas ou mesmo resolvê-los.

Como já referi aqui na Escola Freelancer anteriormente, saber para onde está aí como e o que está a fazer como freelancer é importante. O mesmo se aplica à sua vertente financeira. Porquê acha que muitas pessoas que ganham até um salário razoável acumulam contas e dívidas intermináveis? Não porque ganham mal, mas sim porque não fazem uma boa gestão financeira.

O mesmo pode estar a acontecer com o seu negócio como freelancer. Não estar a sem bem gerido é o suficiente para que o dinheiro que consegue angariar com os seus clientes vá parar a investimentos que em pouco contribuem para melhorar o seu negócio. O pior ainda acontece quando começamos a misturar valores da empresa com contas pessoais. Este é outro dos grandes erros. Contudo não se preocupe, que com o artigo de hoje poderá identificar todos os seus erros e encontrar uma solução para eles. Para auxilia-lo ainda mais, construí um documento em Excel que pode ajudá-lo a organizar as suas finanças pessoais de uma maneira ainda mais fácil.Pode encontrá-lo no fim do artigo.

Finanças pessoais: Guarde uma parte do que ganhar por mês (10%)

É importante ter sempre algum capital de prevenção caso aconteça algum problema muito grave. Algumas pessoas começam a endividar-se por não ter algum dinheiro de parte. Mas porquê é importante esta medida? Imagine que infelizmente tem um acidente muito grave com o seu carro. Ele fica sem arranjo e é obrigado a comprar um novo. Tem aí um problema grave. Agora tem duas opções: pagar logo um novo ou comprar um a prestações.

Suponha que não fez nenhuma poupança, portanto não lhe resta outra opção a não ser pagar o carro em várias vezes. Para manter o mesmo nível de vida, o leitor opta por comprar um carro no valor de 30 mil reais. Se pagar em várias vezes, com os juros será bem capaz de pagar mais 10 mil reais que o valor do carro. Resultado final? O carro custa-lhe 25% a mais do que custaria normalmente. Se tivesse uma poupança isso não aconteceria. Mesmo que não tivesse o valor suficiente e só tivesse dinheiro para a metade, em vez de pagar 10 mil reais de juros pagaria 5 mil. Uma certa diferença não?

Estes géneros de problemas não acontecem só aos outros, podem acontecer a si também. O mais fácil será mesmo abrir uma conta poupança e dizer ao seu banco para todos os meses retirar 10% do seu salário. Assim não cairá na tentação de gastar todo o dinheiro e dizer que é “apenas desta vez” que vai levar o seu salário todo até ao fim. Esse dinheiro só pode ser mexido em casos de vida ou de morte: acidente grave com o carro, operação ou perca de emprego.

Prestação da casa (30%)

Este é o valor que mais pesa no seu orçamento pessoal. No entanto alerto-lhe para uma coisa: não deve ultrapassar 30% do que você recebe por mês. Os motivos para este valor são vários, como o fato de poder ficar sem emprego, a prestação do banco subir ou acontecer algum contratempo. Muitas pessoas gostam de chegar à fasquia dos 50%. Eu considero isso um risco, especialmente se tiver algum empréstimo no seu banco. Além disso, apostar muito neste valor significa deixar de parte outros pontos como o investimento pessoal ou uma poupança. É uma escolha que não compensa minimamente o risco.

Tenha atenção a uma coisa: o seu crescimento em bens materiais tem que ser equivalente ao que você recebe por mês. Especialmente ao trabalhar como freelancer isso pode funcionar como uma motivação, levando-o a produzir mais para conseguir adquirir coisas melhores. Não adiante tentar viver um vida que não pode, apenas pelo fato querer mais conforto. Não pense apenas a curto prazo mas faça sim uma análise a longo prazo e seja objetivo. Talvez seja um momento da sua vida para apostar no futuro e não no seu conforto.

Aposentadoria (5%)

Ao trabalhar como freelancer não terá um chefe para todos os meses descontar-lhe um valor fixo para a sua reforma, portanto terá que ser você a fazê-lo. Apesar de não saber a realidade nesta área no Brasil, em Portugal existem planos de poupança reforma que podem ajudá-lo. Basta dar ordem ao seu banco para que desconte um valor por mês (no geral o valor mínimo são 25 euros por mês) para que tenha essa tarefa assegurada. Sei que pode parecer tentador utilizar o dinheiro que tem agora, mas a verdade é que pensar a longo prazo é uma boa estratégia. A prevenção por vezes é a nossa melhor amiga.

Investimento (5%)

Este pode ser o valor que servirá para investir em outro negócio a longo prazo. Além de poupar, é importante que continue a pensar no seu futuro em termos de investimento, para que consiga ganhos maiores num período médio de tempo. Seja a investir em Forex ou em outro género de atividades, será determinante conseguir pensar no seu futuro de modo a gerar lucros. Neste campo terá duas opções: investir em algo que lhe dê taxas de juros (o exemplo do Forex) ou então poupar para investir em grande em outro negócio. A opção aí será certamente sua. Eu pessoalmente opto pela segunda opção, mas apenas porque não conheço também outro mercado para que possa confiar os meus investimentos. Contudo, pretendo fazê-lo a longo prazo.

Prestação do carro (20%)

A par da prestação da casa, o valor pago pelo carro suga grande parte do nosso salário. É normal, sendo um bem essencial com o qual não podemos viver diariamente. Se poder comprar um carro à vista ótimo, pois aí evitará juros desnecessários. Se o tiver que fazer, opte por prestações mais altas. Assim conseguirá pagar em menos vezes e conseguir juros mais baixos. Contudo lembre-se desta regra: não deve ultrapassar os 20%. Seja fiel ao seu orçamento e não caia em tentações instantâneas.

Despesas pessoais (15%)

Esta parte deve ser ocupada com compras no supermercado, carregamentos de celular ou pagamentos da internet. Esta base pode ser um pouco alargada, principalmente se tiver um agregado familiar com filhos e mulher. Cada caso é um caso e os 15% servem para a maioria dos casos, não para todos. Considera pouco? Talvez esteja a cometer um erro que cometi. Chama-se comprar coisas não interessantes no supermercado. Vou lhe explicar isto de um modo mais simplificado.

Os grandes centros utilizam técnicas para obrigar o cliente a comprar coisas que não são essenciais como os chocolates, bebidas ou bolachas. Como? Repare quando entre no supermercado. Quais são os produtos que estão logo à entrada? Com certeza não são os bem essenciais como o pão, carne ou peixe. São sim aqueles que compra por impulso. Eles são colocados à frente para que o cliente seja obrigado a vê-los antes de passar para o que é realmente essencial, acabando por comprar mesmo não tendo necessidade deles. Não condeno os supermercados por isto. São as técnicas dele, tal como você deve ter para o seu negócio. Também não digo para viver como um monge. Nada disso.

Existem extravagâncias que você deve cometer sem dúvida. Eu não fujo à regra. Apenas quero é ajudar-lhe a encontrar a resposta o fato de as suas despesas pessoais talvez ultrapassarem os 10% que lhe aconselho. Que tal usar a Lei de Pareto na sua próxima lista de compras e adquirir apenas os 20% dos produtos que garantem 80% da sua alimentação?

Contratempos (10%)

Muita gente reclama que nunca consegue cumprir as percentagens do seu orçamento à risca. Infelizmente tenho que concordar consigo. Todos os meses acontece alguma coisa que o fará fugir das medidas corretas. É uma coisa que não vale a pena lutar, pois vai acontecer. Portanto criei este novo segmento. Todos os meses guarde 10% do que ganhar para cobrir algumas surpresas que possam acontecer. Verá que no final pouco restará desta fatia. Contudo, se conseguir um mês excepcional sem ter que a usar, aproveite para dar um mimo a si mesmo e compre alguma coisa que o faça mais feliz.

Invista em si (5%)

A vida não é só trabalho, bem longe disso. Portanto todos os meses guarde uma parte do seu salário como freelancer para dar um mimo a si mesmo. Vá à academia, compre alguma roupa nova ou vá duas vezes jantar fora. Receber algo em troca pelo trabalho que realiza é motivador e ajuda-o a valorizar aquilo que fez. Não seja como aquelas pessoas que só pensam em poupar e ganhar dinheiro. De que lhe vale trabalhar tanto para depois não usufruir de nada disso?

Outros cuidados que deve ter

Seja rigoroso

De pouco lhe adianta realizar um planeamento bem estruturado, se no final não conseguiu cumprir metade das metas a que se propôs. Tente ser rigoroso com os objetivos financeiros que tratou. É normal alguns meses não conseguir cumprir as metas. É perfeitamente normal. Ser persistente é um característica muito positiva.

Faça-o todos os meses

De pouco lhe adianta pensar nestas percentagens apenas um mês ou dois e depois abandoná-las. Tal como trabalhar no seu negócio, ser organizado financeiramente exige prática e trabalho.

Não utilize cartões de crédito se possível

Quando lhe aconselho-o a não utilizar o cartão de crédito, não quero dizer que não possa ter um e utilizá-lo. Eu próprio trabalho com o meu todos os meses. Mas tenho cuidado com duas coisas. Primeiro é que o valor vai ser descontado no saldo da minha conta no mês seguinte (evitando os juros) e segundo nunca o utilizo em situações de desespero. Para isso tenho a minha poupança. A minha única motivação para o utilizar prende-se com os prêmios e descontos que ele me oferece, nada mais.

Como tem organizado as suas finanças pessoais?

Organização é determinante para o seu sucesso. E nesse campo entra também as suas finanças pessoais. Espero com o artigo ter-lhe dado uma base de como deve proceder. Não digo que as percentagens devam ser exactamente estas. Como referi, cada caso é um caso e você terá que adaptar à sua realidade. No entanto, se estiverem a fugir muito destes valores é porque algo de errado se passa.

Dê-nos a sua opinião e diga o que tem feito para organizar o seu orçamento. Achou as nossas dicas úteis? Já tinha pensado nas suas finanças pessoais deste modo?

Abraço e boas finanças

Novo usuário?

Comece aqui

e-book “SEJA MAIS PRODUTIVO”

Baixe o ebook “Pensamentos sobre marketing digital”

Preencha os seus dados abaixo e receba esse e outros materiais por e-mail.